domingo, 26 de março de 2017

1/1 Vida Minimalista.


Olá!
 se você acha que entrou no blog errado, esperando o texto novo escrito por mim, opa! É aqui mesmo, só que agora diferente entendeu? rs

Já faz um tempo que eu quero falar de outras coisas por aqui, mas falta tempo (ou seguir como prioridade. Fica aí o questionamento, né?) Enfim, nesse momento eu deveria estar escrevendo meu TCC, mas funciono melhor durante a noite (para estudar) e esse mini assunto me surgiu como urgente para escrever aqui.

De fato, começaremos essa vida em transferência além das crônicas e textos já publicados (não deixa de ler ein?) Vamos lá?

Bom, a tempos eu venho me desgastando com compras desnecessárias e de volume: calças, saias, blusas, e afins. Acredito que a unica coisa que eu realmente não compro com tanta voracidade é sapatos (bem louco né?) e esse ritmo me consumia tempo e principalmente dinheirinho, sem contar que 90% das roupas novas eu dava para pessoas, porque no fim eu não gostava da roupa de verdade. 

Sendo assim eu comecei a pensar: "caraca, quanto dinheiro foi e eu nem usei tanto essa roupinha?" ou "olha, essa saia combina com aquela blusinha, que, ops, já doei". E assim seguia a vida, comprando, usando, doando e comprando.

Não estou falando que o desapego seja ruim, muito pelo contrário, o desapego é maravilhoso, se não uso, então vou doar para quem use e precisa, uma lógica ótima. Porém, o ruim estava em: comprar mal usar e dar, comprar mal usar e dar, e nesse ciclo louco eu percebi que algo estava errado.

Pontos observados:
  • As roupas amadas (e velhas) prosseguiam firme e fortes;
  • A maioria das roupas que seguiam não tinham estampas;
  • O excesso me confundia.
Minimamente comecei vendo que tinha muitas calças e usava as mesmas toda semana, excluindo uma quantidade significativa. 
Plano de ação: dar as que eu não usava e não comprar mais, repito: não comprar mais!

Minimamente percebi que comprava roupas para uso no trabalho, porque as outras roupas eram de sair, e nessa semana de 07 dias eu usava as roupas de sair apenas 02 dias e olhe lá (afinal não sou das baladas).
Plano de ação: ser criativa e utilizar as roupas para sair, também no trabalho e não comprar mais. Nesse item um gasto foi feito, comprei um blazer lindo branco que cobre esse bracinhos de fora já que estamos falando de uma empresa privada e não a minha empresa (aquela que ainda não tenho)

Eis que, vários pontos foram sendo percebidos quando abri os meus olhos para o meu problema, sempre quis uma vida minimalista que era baseada no consumismo, o que  a mídia nos vende dia a dia: "você precisa dessa roupa monocromática e essa saia da tendência para combinar." E não! você precisa aprender a usar as roupas que tem e fazer delas um look monocromático e dá sim, super dá.

Abre aspas:

Minimalismo ou o Estilo Minimalista também é uma modinha? Sim! pode ser, depende de como ela virá na sua vida. (te peguei ein?)

Afinal o que é? 

"A palavra minimalismo reporta-se a um conjunto de movimentos artísticos e culturais que percorreram vários momentos do século XX, manifestos através de seus fundamentais elementos, especialmente nas artes visuais, no design e na música. Surgiu nos anos 60 nos Estados Unidos.

As obras minimalistas possuem um mínimo de recursos e elementos. A pintura minimalista usa um número limitado de cores e privilegia formas geométricas simples, repetidas simetricamente." (Fonte: Brasil Escola e vários sites falam a mesma coisa)
Na vida:
É a onda reversa meu querido, é não comprar compulsivamente e aprender utilizar seus próprios recursos para prosseguir fazendo algo, na moda por exemplo: é vestir se com o que tem, ou mais, é comprar conscientemente sabendo que aquilo vai lhe cair bem, combina com as demais coisas que você já tem, e que você vai realmente usar. É ser feliz com o pouco, mas o pouco bem investido do que realmente se quer.
Nota/Crítica: 
A gente vai ali dar uma olhada nos instagram's da vida, ver como se inspirar nesse tal de minimalismo e a gente vê o cara do "minimalismo, da vida simples" usando uma camisa podrinha de R$ 400,00. Tenha dó, né gente. 
Não é essa a ideia, claro, uma boa compra as vezes custa caro, maaaaaaaas vale a pena ressaltar que o significado não está em comprar um com o valor de "sei lá, cem itens".

Na real:

Voltando ao assunto, a ideia é comprar conscientemente sabendo que aquilo é uma compra que sim, agrega valor, e principalmente sai do teu orçamento e do plano de ver, para o TER.
Ninguém, no caso eu mesmo, não estou dizendo que não se deve comprar, ou ter, seja um carro, casa ou um closet (eu também tenho esses sonhos), mas é fazê-lo com consciência e dentro do seu limite, no seu tempo, é se livrar do que é desnecessário e ir em busca sim, dos sonhos necessários para cada um, tornando aquilo que todos consomem e que você quer, mas que para você é único e especial.

No fim, eu não sei muito bem sobre esse estilo e mode on de viver, to aprendendo também. O que eu sei é que desde que abri os olhos para aquela t-shirt incrível na minha gaveta que a usei mais vezes do que a sociedade gostaria de me ver e ainda assim fui/sou feliz, sim!
Caminharei a esse rumo, cheio de planos de ações, porque, prazer, sou dessas (mas posso mudar).

Virou textão, e um alívio enorme aqui dentro.

Obrigada!


Um comentário: