segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Resignifica- SE.

...



É preciso deixar se cortar algumas vezes até que chegue alguém que se prontifique a cuidar dos teus pedaços com você. Não viva no utópico dos dias, no hoje tanta coisa pode vir a ser a cada minuto, em cada tempo.

O importante ás vezes é o conteúdo da ligação do que o tempo de duração dela..., um minuto, uma hora, ou quantas vezes a operadora derrubar a ligação, não importa, porque do outro lado a tua voz treme diante das palavras de um futuro bom, e se arrepia em pensar que hoje existe esse alguém. 

Hoje. Há tantas coisas para o hoje, que se render em datas passadas te prende de criar um novo significado para os dias 09,10,12,16. A palavra da vez pode e deve ser resignificar. Se.
Permita- se a ouvir novamente a melodia e a entender novamente a letra, pode ela enfim ter outro sentido no compasso do teu coração, não é lei esquecer- se, mas não é mais regra ter que lembrar. O que é dito é que hoje deve ser apenas o viver. Isso sim é obrigatoriedade, em todos os dias, nos teus. 

Se permita beijar- se por este que ouviu teus pedaços, e foi a cada um deles. Que se cortou junto contigo ao junta- los, que decifrou alguns sonhos e te ouviu ler coisas sem sentidos e por vezes absurdas. No hoje tudo é mais do que a classificação de tags, de hashtags de marcadores de uma rede social, que nem de longe te permitem sentir o que aquele pôr do sol de outrora verdadeiramente te trouxe, no teu marcador de sentir.

É necessário se desligar e colocar no mudo até mesmo os teus pensamentos mais errados sobre o futuro, aumenta o som da tua alma, deixa teus pés dançarem sem distinção, deixa o sorriso indiscreto a amostra, e os olhos se apaixonarem pelo céu, pelos seus.

Entrega- te. Sem medo, sem zelo, os teus pedaços já cortaram muitos dos teus sonhos, já é hora de se deixar juntar, de ser junto e conjunto de uma dança singular, já é demasiada hora de ser parte de uma mão segurando outra, parte dos pensamentos de alguém, e ainda assim se sentir inteiro.

Não se perca mais nos "se" dos 365 dias do ano passado, retrasado, desse tempo já perdido. Mas os encaixe em todos os teus verbos de agora. Permita- se, e se afogue nesse meio sorriso que se declara urgente, esse mistério que te chama, e que se chama viver.






2 comentários:

  1. Eu sempre esqueço que você escreve, e vez por outra acabo parando aqui e em todas elas me surpreendendo. Você não perdeu a essência que dividia comigo nos dias de escola. Lendo teu texto eu vejo a Bruna que conheci e que hoje é uma lembrança feliz da minha adolescência.

    Excelente texto. Excelente blog.

    Gabriel Pontes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por ler isso, fico feliz por ainda te surpreender após tanto tempo, após ter toda essa distância que ainda assim te tenho perto, e dentro do peito.

      Obrigada pelo carinho, e por cada palavra. Significa e resignifica muito.

      Excluir