terça-feira, 17 de junho de 2014

Das incríveis histórias que eu te contei.




Apaguei várias vezes esse início. Apagamos várias e várias vezes nossa vez, e é estranho pensar que o mundo gira, girou e girou e ainda não chegou nossa vez como outrora prometemos.
Das coisas que eu falara pra ti, nos dias de sossego de mundo a fora, de madrugadas em encontros e daquelas noites de fuga, eu te disse que não queria ser o amor de ninguém, que a liberdade era meu grande amor, te disse que ia conhecer o mundo e poderíamos ir juntos se você quisesse, e caso não, o acaso iria comigo.

Nos dias que estávamos em meio a descobertas e cobertas, eu te disse que não tinha medo, que gostava de pensar que tudo era mesmo um talvez e que as mudanças eram infinitamente boas, esse ir e vir da vida nunca me assustou. E a noite, me remexendo escondida dentro dos teus braços gritava na minha mente: Não me solta, a vida não deve ir e levar você.

Os fins de tarde a beira mar, disse que queria me encontrar por aí, que ansiava pela despretensiosidade da vida e que ela me beijasse todos os dias nesse movimento que é viver. Mas enquanto te observava ir e voltar nas ondas, sabia o quanto já tinha me encontrado em ti, e tu eras agora a minha melhor rotina.

Apaguei tantas vezes essas possibilidades de existirmos que na tua ultima volta, te contei que decidi apostar alto na vida, de tentar e tentar e ver no que ela me traria e (trairia). E eu queria que agora você pudesse ver, ouvir... Que das coisas que eu te contei, a minha melhor visita sempre foi você, nesse caminho de ir e vir eu nunca quis mesmo foi sair do teu lado... Eu sempre quis te ligar todos os dias, e deixar você ir me buscar naquela festinha que insisti pra você ir quando brigamos, quando eu quis aproveitar o que não tinha mais graça sem você.

Volta. Larga esse mar que você parece tão feliz na foto, ainda falta a minha maior história para contar, para te seduzir. Deixa eu te contar que o incrível dessa vida foi ter você, quando eu achei que não tinha mais graça os dias e o que melhor era inventar para me enganar, e mesmo sem querer e sem saber nessa roda gigante e rodopio dos dias, eu te encontrei, eu me encontrei e te perdi.

Vem, preciso te falar com os lábios, com os olhos que a melhor viagem foi no teu abraço.

Imagem retirada daqui.



Nenhum comentário:

Postar um comentário