terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Projetar, da vida.


surfing-in-harmony:

✌

Você já se projetou de quantas maneiras e formas menina, pensei comigo mesma. 
Pensei que no novo, de novo, de alguma forma algo mudou além de um dígito no final, pensei também que nada mudou, afinal, poucas coisas se fizeram diferente ao som da meia noite.

De uma série de coisas que se aprendeu, se arrependeu, se reviveu, se permitiu.

De uma série de tv pegou frases, pegou dicas, pegou a trilha sonora, pegou a vida, se perdeu.

Onde existe momentos em que você pensa em todas as coisas que você viveu, e percebe que pode estar ainda só no começo, de todas as musicas e melodias que já fizeram sentindo e agora você nem escuta mais porque dói, de nomes e sobrenomes que você quer esquecer, ou queria ter ainda lado a lado, dos pra sempre que você disse pra alguém sem saber que ia acabar, e acabou, de alguns eu te amo e a vontade de pedir pra ficar que se calou, de onde vem momentos como este que exatamente nessa estrada do ponto que se vê você se pergunta cadê você.

Mas você não nega, nem ao menos esconde dar risadas disso tudo hoje é a sua melhor saída, chorou porque doeu e doeu até demais, mas depois sorriu com o passar dos dias ao entender que ausência não é falta, e se surpreender que pode ser a falta de alguém. E você se permite a ser a passagem de alguém sabendo que este alguém nunca vai ficar, mas aproveitando cada momento que os flashes das câmeras captam, do registro, do que fica, e você que nunca falou muito das tuas controvérsias se desmancha em conversas com os amigos em meio a madrugada porque existe momentos que as seguranças e certezas não estão nesse mesmo chão.

Aprendeu a dançar e a não dançar, aprendeu a ser, a se permitir mas nem sempre por inteira, aprendeu que a verdade nem sempre é o que te contam que existe muitos espaços em branco, e que as pessoas podem ser esses espaços, e que a escrita ninguém pode entender, só sentir.

Você se vê, rodopiando e dançando em um lugar que nunca esteve antes, trocando telefones com a promessa de um amor, de um amigo de novas canções na sua playlist ou indicações de filmes mais esquisitos que já soube.

Um novo, de novo, talvez tudo volte, talvez só se prossiga, talvez se pare e pense em recuar, talvez tenha as gargalhadas mais sinceras, banhos de chuva que lavem a alma, escolhas que te peçam pra ficar mas você decida ir. Ou ficar. Talvez, esse seja o caminho, talvez não. Talvez, seja certo, talvez sejam só clichês. 

Talvez as certezas perdidas não seja mais o alvo, ou encontrar novas certezas seja o destino, o teu, exatamente delineado nas ondas do mar a tua vista favorita. Só não encobre com areia quem é você. 
E talvez o novo seja ser exatamente quem você é, atrás dessa ponte, dessa franja que te encobre os olhos, dessa maquiagem.

Escrever de novo, se projeta, se proteja, mas seja.

Bruna Lima.


Nenhum comentário:

Postar um comentário