domingo, 22 de janeiro de 2012

Te falo de mim, tu falas de ti.
Te conto de mim, tu contas sobre ti. Respostas.
Ausência, e quando mais preciso não sei gritar, me fecho, me calo, me guardo até de mim.
Espero, um, uns, muitos dias. 
Te respondo sempre, não me sinto ausente, não me sinto longe, não espero nada além do que esperas também.

Tenho que contar,  dói o peito.


Nenhum comentário:

Postar um comentário