sexta-feira, 16 de dezembro de 2011





Coração que dói, com o tempo, com o medo, com os jeitos. 
Li que em algum lugar as pessoas gostam de cuidar um dos outros, a sua porta de entrada é o sorriso.
Alimentei minhas esperanças, fiz as malas, me enganei... Eu li, o que tinha escrito, se há este lugar ainda não sei, mas queria vê- lo um dia, para que eu pudesse ter respostas mais sinceras com saudações como nos filmes.
Não sei, as pessoas são tão intensas de uma certa forma que a intensidade pode cortar teus sorrisos, passando dos teus limites que são tão frágeis. Algumas te passam o que acham de você em brincadeiras, sem se importar o que isso te afeta, no fundo pouco, porém o som daquelas palavras ressoam a cada movimento teu.
Sinceramente o que mais me afeta, é as pessoas acharem que palavras não machucam, que gestos não dizem nada, e que brincadeiras são apenas brincadeiras. Eu te digo que não.
E a percepção disso só chega quando acontecer com eles, assim as coisas logo tomaram sentido como deve ser, de quem diz apenas só por dizer, de quem te arregala os olhos ou te dá um abraço. 
Tudo está no que não está. Tudo é, quando não parece ser.


Nenhum comentário:

Postar um comentário